terça-feira, 6 de dezembro de 2016

DEZEMBRO, ESVAZIAMENTOS E CUPINS DE PALETÓ

"Big Man", de Ron Mueck

Eu me pergunto, neste início de dezembro, se o vazio que me acomete a alma é consequência de uma tendência minha à sensibilidade excessiva, ou percepção nada alienada das baixezas humanas que têm tentado, com êxito, destruir o país.

A sensibilidade excessiva e a política não me possibilitam fechar os olhos em busca de alguma paz. O que eu mais queria, no entanto, era fechar os olhos e acordar na mais absoluta serenidade. Queria força interior para mim e coerência e democracia para a política nacional. Como conseguir tais proezas?

O vazio que me tritura liquidifica minhas esperanças e alegrias. Sob meus pés deslizam fragmentos de uma vida em silêncio. Em silêncio como? Vivo aos gritos – e somente eu mesmo os posso ouvir.

Esse vazio indica pessoas ausentes? Os mortos ou os vivos me despertam maior saudade? Não vejo minhas mãos quando o mundo me atravessa com suas inadequações. Quem tem mais inadequação: ele ou eu?

Enquanto biltres se ocupam de destruir – ratos que são – o país, eu me impressiono com a minha própria condição. Fixo um ponto na parede e deixo o mundo girar sem mim. Baratas gordas existem em algum escuro que não posso perscrutar – e como são completas. Nascem para fins específicos sem que haja necessidade de problematizações. Meus olhos fixos no ponto da parede. Incompletude absoluta é a lança que sorve de mim o sangue e a água.

Passeio os dedos sobre as cenas que aprisionei em mim – nunca as saberia descrever. Dor intensa é melhor segredada? O país chora sem hino, sem bandeira, sem ética, sem soluções. Queria um olhar de fraternidade que se transformasse em mãos aguerridas e tirassem de mim a não-força que me fustiga.

Neste dezembro, tão incerto e injusto, quero a paz maior do mundo. Serpentes de paletó preparam botes contra a nação, mas será possível a existência de alguém nascido para um olhar confortador?

Andarei dias e noites fixando pontos incertos, ou encontrarei, finalmente, a pacificidade perdida quando nasci e enfrentei os desamparos com choro e ranger de dentes? Será isso? Desamparo? Quem ousou, nesta vida incompleta, me desamparar? Eles não sabiam que eu era de alma frágil?

Será autocomiseração demais para um ser humano só? Dezembro, preciso pedir com ênfase: não permita que os políticos  cupins malignos  comam as pedras que meu povo reuniu com trabalho e honra, também não permita que o vazio arranque de mim a esperança de encontrar novas roupagens para minhas mãos há tanto tempo vazias e sem cor.

Émerson Cardoso
06/12/16

terça-feira, 11 de outubro de 2016

CONTO: JANELAS ENTREABERTAS ATERRORIZAM NUVENS (ou: jamais entendi aspirações notívagas)


Já no primeiro segundo houve o que parece estranhamento. Cor mostarda da calça, vermelho purpúreo da camisa. Ele pairava ao lado da porta sem exigir para si presenças. O que teria sido determinante: a tristeza do olhar, ou o silêncio gravado em seu semblante sério? Talvez o gesticular discreto, ou a maneira de olhar para espaço indecifrável... Não sei dizer ao certo.

E, dessa forma, houve um surpreso olhar, depois outro olhar mais de curiosidade e, no terceiro, vê-lo tornou-se o anseio de reencontrá-lo para sempre. O que não se poderia supor aconteceu com urgência. Distante alma a deslizar no mundo, ele não percebeu que se tornara o centro de uma guerra tão ilógica quanto profunda – e seus olhares ingênuos percorreram cômodos obscuros e conflituosos dentro de mim.

A necessidade de descobrir espaços para aproximação, o desejo de estabelecer diálogos amistosos e, de repente, a voz silente que retumbava em si abriu portas e deixou passar da amizade o fluxo. Amizade, ó céus, não era o que se desejava ao todo, porém o que é migalha alegra quem na escassez pranteia.

Não houve, após a primeira vista, momentos em que sua imagem não tivesse passeado em minha mente. Seu olhar tristonho sorriu em fragmentos e sua voz ecoou no de dentro de mim como a relutar entre resguardar-se ou ser possibilidade. Eu no abismo – e cair, inicialmente, parecia não causar temores.

Janelas incertas os meus olhos ressequidos. Cada gesto dele deixava minhas mãos vazias – e sedentas. Nadar em piscina de escorpiões tornou-se meu ser e estar. Dormir e acordar eram atos entristecidos: vê-lo no início, no fim e sempre.

E a vida arrastou-se entre fundos olhos e impossibilitados pés. Convites amplos e estritos foram enviados por aves que retornavam desamparadas. Incertezas e tentativas de racionalização dilaceraram minha sanidade.

A solidão estendeu lençol de espinho e pontiagudas pedras. Recebi convite para, com meus pés descalços, atravessá-lo. Não havia sentido, por isto a fuga. Não havia certeza, por isto a dor. Não havia possibilidades, por isto o medo. Tudo incerto, em verdade. Tudo sofreguidão e insegurança e ardor.

Noite que paira em seus olhos, obscureça minha pele em frêmito. Boca que reverbera silêncios, resvala em minha existência almejante. Por mais que o mundo não nos suporte, ser gratificante a quem olho com sofreguidão, eu não perderei do amor a loucura de vê-lo espelhado em meu olhar tristonho. Murmura o vento, sussurra a vida. E nossas mãos poderiam, ó céus, reunirem-se para sempre na cumplicidade de um amor inquebrantável e simples.
           

30/10/2016

LEITURA: "ÓDIO À INTELIGÊNCIA: SOBRE O ANTI-INTELECTUALISMO", POR MÁRCIA TIBURI





Os preconceitos não são inúteis. Eles têm uma função importantíssima na economia psíquica do preconceituoso. Sem os preconceitos, a vida do preconceituoso seria insuportável. Os preconceitos servem na prática para favorecer uns e desfavorecer outros, para confirmar certezas incontrastáveis, manter a ordem e descontextualizar os fenômenos. São parte fundamental dos jogos de dominação e de poder, servem para mistificar, para manipular, mas servem sobretudo para sustentar um ideal falso na pessoa do preconceituoso, ideal acerca de si mesmo, um ideal de “superioridade”, sem o qual os preconceitos seriam eliminados porque perderiam, aí sim, a sua função fundante.

Ainda que sejam psicológicos e não lógicos, daí a aparência de irracionalidade, os preconceitos funcionam a partir de uma lógica binária, bem simples, uma espécie de “lógica da identidade”, mas em um sentido muito elementar, a lógica da medida que reduz tudo, seja a vida, as culturas, as sociedades, as pessoas, ao parâmetro “superior-inferior”. Preconceitos não funcionam fora de jogos de linguagem que são jogos psíquicos, que produzem algum tipo de compensação psíquica.

Vivemos tempos de descompensação emocional profunda, em uma espécie de vazio afetivo (junto com um vazio do pensamento e um vazio da ação que se resolve em consumismo acrítico tanto de ideias quanto de mercadorias). Nesses tempos, a oferta de preconceitos se torna imensa. No sistema de preconceitos, o objeto do preconceito varia, conforme uma estranha oferta: se há muitos judeus, pode-se dirigir o ódio, que é o afeto básico do preconceito, contra eles. Se há mulheres, homossexuais, negros, indígenas, lésbicas ou travestis, o ódio será lançado sobre eles, conforme haja oportunidade. Verdade que o ódio é sempre dirigido àquele que ameaça, ou seja, no fundo do ódio há muito medo. O preconceituoso é, na verdade, em um sentido um pouco mais profundo, alguém que tem muito medo, mas em vez de enfrentar seu medo com coragem, ele usa a covardia, justamente porque é impotente para enfrentar seu próprio medo.

O preconceituoso é, basicamente, um covarde.

Tendo isso em vista, é importante falar de um preconceito que está em voga nesse momento: o anti-intelectualismo. Há um ódio que se dirige atualmente à inteligência, ao conhecimento, à ciência, ao esclarecimento, ao discernimento. Ao mesmo tempo, esse ódio é velado, pois o lugar do saber é um lugar de poder que é interessante para muitos. Se podemos falar em “coronelismo intelectual” como um uso elitista do conhecimento, e de “ignorância populista”, como um uso elitista da ignorância, como duas formas de exercer o poder manipulando o campo do saber, podemos falar também de um ódio à inteligência, do seu apagamento.

Há, dividindo espaço com opressões próprias ao campo do saber, um estranho ódio ao saber em sua forma crítica e desconstrutiva. Um ódio que se relaciona com a ameaça libertária do saber, um saber capaz de desmistificar, de contrastar certezas e de desvelar a ignorância que serve de base para todos os preconceitos. O pensamento e a ousadia intelectual tornaram-se insuportáveis para muitas pessoas chegando a um nível institucional e, não raro, acabam excluídos ou mesmo criminalizados.

Diversos exemplos de anti-intelectualismo podem ser observados na sociedade brasileira. Desde a caricata presença do ator Alexandre Frota (menos pelo que ele é, mas sobretudo pelo que ele representa) como formulador de políticas públicas do Ministério da Educação ao projeto repleto de ideologia (e mais precisamente: da ideologia, de viés autoritário, da “negação do saber”) da “Escola sem partido”. Do silêncio em torno da exclusão de disciplinas (filosofia, sociologia, artes, etc.) do ensino médio (MP 746) à expressiva votação de candidatos que apostam no uso da força, em detrimento do conhecimento, como resposta aos mais variados problemas sociais. Do descaso com a educação (consagrado na PEC 241) ao tratamento conferido aos professores em todo Brasil (na cidade do Rio de Janeiro, uma das mais constantes críticas direcionadas ao candidato Marcelo Freixo, que disputa o segundo turno das eleições municipais contra o pastor licenciado da IURD Marcelo Crivella, é de que por ser professor não falaria “a linguagem do povo”).

O alto índice de abstenções, votos nulos e brancos (bem como a expressiva votação de políticos que se apresentavam como não-políticos) também é um sintoma do anti-intelectualismo, na medida em que o eleitor identifica o político como aquele que detém o “saber político”, um “saber” que foi demonizado pelos meios de comunicação de massa.

No sistema de justiça ocorre o mesmo. O bom juiz é aquele que julga da forma que o povo desinformado julgaria, mesmo que para isso seja necessário ignorar a doutrina, as leis e a própria Constituição da República. Por outro lado, não são raros os casos de juízes e promotores de justiça que respondem a procedimentos administrativos acusados de decidir contra o senso comum propagado pelos meios de comunicação de massa.

Em meio à onda anti-intelectualista, não causa surpresa que a lógica do pensamento passa a trabalhar com categorias pré-modernas como o “messianismo” e a “peste”. O messianismo identifica-se com a construção de heróis e salvadores da pátria (seres diferenciados, bravos e destemidos, mas que não são necessariamente cultos ou inteligentes, nem corajosos, mas usam uma performance política em que gritar e esbravejar provocam efeitos populistas). A lógica da peste identifica cada um dos problemas brasileiros como um mal indeterminado, em sua extensão, em suas formas e em suas causas, mas tangível e mortal, contra o qual só Deus ou pessoas iluminadas podem resolver. Só há “messianismo” e “peste”, fenômenos típicos de um conservadorismo carente de reflexão, onde desaparece o saber e a educação.

A barbárie está em curso.


TÍBURI, Márcia. Ódio à inteligência: sobre o anti-intelectualismo. Disponível em: http://revistacult.uol.com.br/home/2016/10/50931/. Acesso em: 15/10/2016. 

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

BREVES NOTAS SOBRE O SONETO "ALMA MINHA GENTIL, QUE TE PARTISTE", DE CAMÕES, E "SONETO DE SEPARAÇÃO", DE VINÍCIUS DE MORAES


A produção literária de Luís de Camões, escritor maior da poesia portuguesa, apresenta inúmeras características que a tornam peculiar. Além da epopeia Os Lusíadas, sua obra mais conhecida, foi exímio produtor de sonetos. Dentre as características que podemos ressaltar em sua obra, devemos considerar o forte lirismo com que produziu seus sonetos. Neste gênero textual, desenvolveu discussões acerca do seu tempo, apresentava inferências sobre um amor de cunho platônico e discorria sobre princípios filosóficos e crenças religiosas.
            No soneto “Alma minha gentil, que te partiste”, há a voz de um eu lírico angustiado que, ao remeter-se ao seu amor, que se foi para a eternidade, lamenta profundamente esta separação inevitável. O eu lírico remete-se a um ser a quem devota um amor expressivo e apresenta-se como triste, magoado e perdido nas dores de amar a quem Deus “levou” para a morada eterna.
Nos versos: “Roga a Deus, que teus anos encurtou, / Que tão cedo de cá me leve a ver-te”, podemos perceber a sensação desesperadora a que se submete o eu lírico por ter se separado do seu grande amor, que morreu cedo deixando nele uma espécie de “mágoa, sem remédio”. A temática do amor irrealizado, da sensação de perda, a morte como princípio antagônico da vida, a crença na eternidade da alma, a angústia, melancolia, sofrimento e dor pertinentes à condição humana, são temáticas recorrentes neste soneto amplo em aspectos polissêmicos e lirismo.
            Após esta breve explanação, consideremos o soneto do poeta Vinicius de Moraes, “Soneto de Separação”, poema em que se percebe a mesma temática do texto camoniano: a separação entre dois amantes, embora se possa inferir que apresentam perspectivas diferenciadas quanto à maneira com que o assunto é tratado. No soneto de Camões em análise, o eu lírico expressa sua angústia ao dizer que se separou da sua amada “Tão cedo desta vida”, enquanto o soneto de Vinicius de Moraes apresenta sua constatação sobre a dolorosa separação que, para este, aconteceu também “De repente, não mais que de repente”.
            Quanto à temática, os dois sonetos podem ser muito parecidos, ambos tratam de desencontros, de ilusões e das dores de quem se depara com a fugacidade da vida afetiva. O eu lírico do primeiro texto se mostra mais conformado com a ideia da perda, no entanto isto se dá porque ele acredita na vida etérea como forma de reencontrar a sua amada. O indivíduo se mostra, neste sentido, vítima dos desencontros que a própria sorte, num sentido mais espiritual, revela.
No segundo texto, porém, o eu lírico, num jogo antitético, apresenta a separação de diversas maneiras e não descarta o fato de que tudo, no que diz respeito à vida amorosa, pode mudar rapidamente, e aquilo que se tem em mãos pode deixar de ser em pouco tempo, mas não se percebem processos ideológicos voltados para o fato de que poderia haver continuidade para o amor na vida após a morte. Antes, o amor que deixa de existir com o passar do tempo, no “Soneto de Separação”, é encarado com certo realismo, sem grandes dramatizações, embora conserve o teor lírico que também se faz presente no soneto de Camões.
















  

“NOVELAS DE CAVALARIA” E “LITERATURA CORDEL”


A Idade Média tem início no final do século V, com o avanço do Cristianismo, e estende-se até o século XV. Neste período, surge o primeiro movimento literário da História Ocidental: o Trovadorismo. A principal característica do Trovadorismo foi a produção de poesia acompanhada por instrumentos musicais, ou seja, o fazer poético estava relacionado à ideia de que se produzia o texto para ser cantado com auxílio de instrumentos diversos, além de traduzir os valores morais da época.
            A poesia trovadoresca apresentava três tipologias: Cantiga de amor, Cantiga de amigo e Cantiga de escárnio ou maldizer. Ao mesmo tempo em que os trovadores produziam suas poesias cantadas e musicadas, no Norte da França surgiu um novo tipo de produção literária: as Novelas de Cavalaria. O primeiro produtor deste gênero foi Chréstien de Troyes, autor de Lancelot, e retratava, diferente da idealização amorosa das canções trovadorescas, o amor concreto e realista com relações amorosas que se davam entre nobres. Como eram de caráter pagão, em sua maioria, os poetas exaltavam a valentia, a aventura e a capacidade de conquista. Surgiram, desse modo, as narrativas centradas no Rei Arthur e os Cavaleiros da Távola Redonda.
            Posteriormente, a Igreja passa a aceitar as Novelas de Cavalaria em sua doutrina e surgem novelas em que eram retratados aspectos místicos nas narrativas que se pautavam na valorização de aventuras com sentido religioso. Em suma, a Novela de Cavalaria se caracteriza como o melhor exemplo de prosa medieval em que se ressalta o heroísmo de influência religiosa e feudal.
            Muitos estudiosos da Literatura popular nordestina, mais precisamente estudiosos da Literatura de Cordel, e dos Cantadores Repentistas, buscam, em suas investigações, observar até que ponto essas manifestações literárias sofreram influências da produção trovadoresca criada na Idade Média.
            Sabe-se que a Literatura de Cordel incorporou, de modo recorrente, as características prosaicas pautadas em aventuras e valores medievos presentes nas Novelas de Cavalaria, e os Cantadores Repentistas, em vários aspectos, relembram a associação existente entre poesia oral e música.
            Diante disso, é possível estabelecer um rápido estudo de cunho comparativo entre a produção medieval das Novelas de Cavalaria e a Literatura de Cordel, para ser mais específico, o Cordel Antônio Silvino – o rei dos cangaceiros, do autor Leandro Gomes de Barros, que apresenta a história do cangaceiro Antônio Silvino que faz ameaças ao Padre José Paulino que, segundo é exposto no Cordel, foi responsável pela morte de três cangaceiros do seu grupo por tê-los entregado ao governo.
            No cordel podem ser encontradas várias das características que são pertinentes às Novelas de Cavalaria, mesmo com a distância temporal existente entre essas duas manifestações literárias.
Antônio Silvino assume o papel de herói que, ao reunir homens em bando, passa a viver de supostos crimes enquanto tenta fugir da realidade social a que se submete. Esse bando se desloca por diversos espaços do sertão nordestino guerreando contra o poder governamental da época, tendo como objetivo consciente ou inconscientemente o processo reivindicativo que o tornava um guerreiro inconformado com o sistema social e político de seu tempo. Assim, é possível estabelecer relações de proximidade com os Cavaleiros da Távola Redonda, do reino do Rei Arthur, por estarem ambos distantes de seu espaço de origem à mercê de aventuras e perigos inúmeros com seus respectivos objetivos heroicos. Guerrear era-lhes uma necessidade quase natural mediante as anfractuosidades dos caminhos que percorriam.
            Diferem, no entanto, porque, no caso do cangaceiro, a guerra se estabelecia contra representantes do poder governamental e do clero, enquanto as personagens das Novelas de Cavalaria não se opunham a nenhum sistema social e político, muito menos se opunham ao poder clerical, antes defendiam a Igreja e lutavam em prol desta.
O que os aproxima, ainda, é a manutenção de uma tradição que estabelece hierarquias comportamentais e valores morais no bando como se percebe, por exemplo, no fato de que, ao perder os companheiros do bando, seria imprescindível vingar a morte destes para fazer justiça àqueles que foram fiéis ao grupo. Nem que para isso a Igreja fosse alvo da cólera dos cangaceiros.

            Após esse breve comentário, constata-se o quanto é possível encontrar elementos comparativos que podem ser observados com maior apuro, o que não é nossa pretensão tendo em vista o caráter sucinto de nosso texto.

SESSÃO DO (DEZ) APEGO: MINHA LISTA DE FILMES PREFERIDOS








CARDOSO, Cícero Émerson do Nascimento. Sessão do (dez) apego: minha lista de filmes preferidos. Revista Sétima de Cinema, n. 36, p. 10 - 13, out. 2016. 

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

ENCONTRO À MARGEM DO RIO ESTIGE (ou romance do amor desencontrado)


Entrai, triste alma,
Eu vou te levar...

Não posso, Caronte,
Que viver me agrada.

O amor descobri
Nos olhos de alguém!

Alguém, triste alma?
Quem é este alguém? 

Que amo sozinho
É tudo o que sei.

E quero voltar,
Lutar pelo amor...

Adeus, triste alma,
Findou-se o teu tempo.

Não posso, Caronte,
Tenha compaixão!

Vivi tão perdido
E o amor encontrei...

Deixai-me voltar,
Por Deus! Por favor!

Nunca, triste alma,
Teu tempo acabou!

Entrai em silêncio,
É longa a jornada...

Por favor, Caronte,
Preciso da vida!

O amor renasceu
Salvando-me as horas!

Os dias são claros,
O céu mais florido...

Suspiros sedentos
Renovam meu corpo...

Caronte, eu imploro!
Preciso voltar!

Lamento, alma triste,
Mas vou te levar!

Não vês minhas lágrimas?
Não vês minha dor?

Preciso voltar,
Encontrei o amor!

Émerson Cardoso
14/09/2016